Gestão do RH: confira 6 dicas fora da curva

As novas demandas do mundo corporativo pedem uma gestão do RH fora da curva e, para alcançar um modelo inovador, é preciso ter ideias que também estejam. Além de novas demandas, temos soluções mais avançadas para as antigas, o que vem tornando o mercado cada vez mais competitivo.

A modernidade trouxe muitos avanços em termos de tecnologias, modelos de gestão e relações de trabalho. Mas o que representa de fato um RH compatível com a realidade e ao mesmo tempo desafiador?

Neste artigo vamos dar dicas sobre como criar uma área de Recursos Humanos diferenciado, com originalidade e alto grau de eficiência. Boa leitura!

1. Valorizar as pessoas

Aos olhos de fora, a empresa é representada por cada um dos seus membros. Ter qualquer tipo de contato com um colaborador é o mesmo que lidar com “a empresa”. Diante disso, a companhia que não valoriza quem realmente faz as coisas acontecerem não está dando o devido valor a sua própria marca.

Marca é a impressão que deixamos para o mundo externo. Já parou para pensar  qual marca os seus colaboradores estão deixando? Provavelmente a mesma que eles acreditam ter para seus superiores e para a organização como um todo.

Compreendendo isso, as instituições mais reconhecidas do mundo já apostam em uma política interna poderosa e criativa para ter a equipe mais engajada e satisfeita. Como resultado, elas têm alcançado um aumento na produtividade e na qualidade de seus processos.

O grande aliado dessas empresas tem sido o RH, o qual assume um papel estratégico na gestão de pessoas, dando sentido ao trabalho e estruturando um caminho de crescimento e aprendizado para os colaboradores.

2. Aliar responsabilidade e autonomia na gestão das pessoas e na gestão do RH

A estratégia perfeita para uma equipe capaz de se autogerenciar é responsabilizar e oferecer autonomia ao mesmo tempo. Ao definir metas claras e dar poder de decisão e ação para a equipe, é possível alcançar esse equilíbrio.

Na prática, é preciso criar mecanismos diferenciados para acompanhar ações e criar canais de comunicação variados e eficientes, tornando as relações mais transparentes e baseadas na colaboração. Isso tudo depende da formação de líderes preparados tanto para delegar quanto para formar novas lideranças, o que pode ser viabilizado também por uma gestão do RH atuante.

3. Desenvolver lideranças empoderadoras

Enquanto muitos estão por aí “cortando asas”, outros percebem que são elas que transformam empresas comuns em negócios com grande impacto. Os líderes empoderadores se encaixam nesse segundo grupo de pessoas. São eles que impulsionam suas equipes para uma melhora constante, estimulando a superação e investindo em potenciais ainda não descobertos.

Um RH fora da curva é capaz de formar líderes focados nessa melhoria, com visão de futuro, autoconfiança e vontade de desenvolver outras pessoas.

Empoderar é mostrar ao outro o poder que ele tem, no sentido de explorar todo seu potencial e ultrapassar limites que possam estar internalizados por condicionamentos externos.

4. Fortalecer o trabalho em grupo

Empresas de sucesso pensam como um grupo, extraindo das habilidades individuais dos seus colaboradores benefícios que impactam no âmbito coletivo. Diante disso, fortalecer o trabalho em grupo e o movimento de cooperação é outra atitude diferenciada que se espera de uma gestão do RH alinhada com as necessidades atuais.

Para isso ocorrer na dinâmica de trabalho e se estender para as relações, é preciso construir pontes entre os membros das equipes, aproximando-os nas metas, tarefas e fora delas.

O incentivo ao diálogo é uma prática que traz essa proximidade, bem como inserir momentos de lazer, atividades em grupo e eventos diversificados no cronograma da empresa.

5. Embarcar conhecimento

O conhecimento é um ingrediente importante em qualquer processo de crescimento. É ele que amplia horizontes, insere práticas mais eficientes, promove qualificação profissional e traz essa qualidade para as funções desempenhadas.

No ambiente organizacional, já há espaço, por exemplo, para a gestão de conhecimento, conceito relativamente atual e presente em gestões mais modernas.

Na prática, o gerenciamento de conhecimento se dá na direção do aperfeiçoamento constante de colaboradores. É importante destacar que muitas vezes a gestão de conhecimento está relacionada à implementação de tecnologias e sistemas inteligentes, porém, as capacidades de inovar, decidir e agir são características que pertencem às pessoas.

O RH deve estimular nos líderes a prática de embarcar conhecimento nas suas equipes, pois ela foca na criação de métodos e estratégias que formem ciclos de aprendizado, fortalecendo o on the job training e o crescimento constantes.

6. Gerar informação sobre os resultados do trabalho

Para controlar o próprio desempenho e o de terceiros na execução de tarefas e procedimentos, há uma ferramenta imprescindível, cujo uso deve ser feito sem moderação. Estamos falando do feedback. Nada melhor que ele para gerar informação sobre os resultados de um trabalho.

Uma ação sem feedback se perde no tempo e, possivelmente, se torna obsoleta. Sendo boa ou ruim, a equipe não tem como mensurar seus efeitos sem um retorno que, de preferência, seja imediato. Para isso, existem maneiras de institucionalizar o feedback, tornando-o uma prática da empresa. Sendo assim, a primeira tarefa é estruturá-la.

Como estruturar a prática do feedback?

Separamos algumas dicas sobre como tornar essa prática constante na sua empresa, gerando inteligência a partir da mensuração de desempenhos e resultados. Confira a lista que preparamos!

  1. Criar sistemas de avaliação em todos os níveis, interna e externamente;
  2. Implementar uma periodicidade, além do feedback imediato;
  3. Investir em instrumentos eficientes de comunicação interna;
  4. Registrar, monitorar e transformar dados em inteligência;
  5. Trabalhar com sistemas de análise de dados.

Cada um desses tópicos representa uma atitude esperada de gestões de RH inovadoras, contendo os elementos primordiais na mudança de modelos tradicionais para aqueles considerados fora da curva.

Vale ressaltar que não existe a abordagem perfeita, por isso, a organização deve buscar a sua própria maneira de trabalhar com esse conjunto de ações e estratégias, inspirando-se em modelos que deram certo, mas sem copiá-los.

E então, o que você achou deste conteúdo? Gostou das dicas fora da curva que preparamos para as empresas implementarem uma gestão do RH inovadora? Não esqueça de comentar no post, compartilhando sua opinião com outras pessoas e enriquecendo nossa página com discussões construtivas!

Deixe um comentário
Share This