N7: conheça as 7 novas ferramentas da qualidade

As N7 ou Novas Ferramentas de Controle da Qualidade foram apresentadas ao mercado pela primeira vez em 1979 no Japão. Mesmo após tantos anos, elas são extremamente atuais tendo em vista sua aplicabilidade a problemas, situações e tomadas de decisão mais complexas.

Estas ferramentas ajudaram os envolvidos em um problema por exemplo, a verem a solução em uma única folha de papel, usando cartões ou etiquetas móveis, posteriormente substituídas por post its. Isso ampliou o pensamento das pessoas, principalmente no nível de liderança e equipes técnicas que precisavam tomar decisões complexas de forma simples.

Tais ferramentas são de extrema importância no âmbito corporativo, pois otimizam a gestão e minimizam erros. Além disso, são técnicas de simples realização, capazes de gerar visão sistêmica ao serem adotadas.

Tendo em vista sua relevância, vamos expor neste post as características desses instrumentos e o benefício que cada um traz para o dia a dia corporativo. Ficou curioso? Então siga a leitura e confira as 7 ferramentas da qualidade!

1. Diagrama de Relações

O Diagrama de Relações é uma ferramenta que serve para avaliar as relações existentes entre os problemas e suas respectivas causas. Ele baseia-se na exposição de um problema que será posicionado no centro do diagrama. Cada membro da equipe receberá uma etiqueta na qual deve escrever seus pensamentos sobre as possíveis causas desse problema.

Feito isso, as etiquetas devem ser separadas por semelhança e posicionadas perto do problema no centro do diagrama, como causas primárias. Depois, novas causas devem ser relacionadas às primeiras, como causas secundárias ou terciárias, mais afastadas do centro do diagrama. Por fim, flechas devem ser colocadas relacionando os itens por meio do critério de causa e efeito.

Dessa forma, é possível ter uma visão mais ampla do problema, identificando a relação existente e suas verdadeiras causas para, em seguida, pensar com mais lucidez em estratégias para solucioná-lo.

2. Diagrama de Afinidade

O Diagrama de Afinidade gera uma espécie de brainstorming. Cada membro do grupo deve expor sua ideia ou opinião para a solução dos problemas propostos. As ideias que tiverem mais afinidade devem ser agrupadas.

A proposta dessa ferramenta é sanar questões recorrentes de forma criativa e inovadora. Por isso, é importante que os integrantes da equipe busquem respostas diferentes das já dadas anteriormente. Quanto mais autênticas forem as ideias, mais campo para trabalho é gerado e cria-se uma visão sistêmica e menos limitada a pensamentos padrão.

3. Diagrama de Árvore

O Diagrama de Árvore é uma ferramenta primordial para se planejar e conseguir atingir os objetivos corporativos. Sua estrutura é similar a de um organograma, onde em seu topo é colocado o objetivo principal e ramificações vão sendo adicionadas, expondo as metas a serem alcançadas para conquistar o objetivo final.

É um método interessante, pois agrupa passo a passo do caminho a ser traçado até se alcançar o que almeja. Com isso, as pessoas estarão bem direcionadas e terão ciência das consequências que cada ato vai gerar. Ou seja, os resultados são praticamente certos e as chances de erros diminuem, já que todos terão um padrão a ser seguido.

4. Diagrama de Matriz

Por meio do Diagrama de Matriz é possível mostrar graficamente as relações existentes entre duas ou mais variáveis ou aspectos a serem analisados. Um dos aspectos é colocado em linha e o outro em colunas, para fazer a interseção usam-se símbolos. Os símbolos representam uma forte relação (círculo cheio), o círculo vazio refere-se a uma média relação e o triângulo faz referência a uma baixa relação.

De acordo com a quantidade de dimensões que estão sendo analisadas, troca-se o tipo de matriz. A mais comum é a que vincula duas dimensões, chamada de matriz tipo L. Temos também a matriz tipo T que é a união de duas matrizes L. Já a matriz tipo X combina quatro matrizes L. A matriz tipo Y são três matrizes L combinadas e, por fim, a matriz tipo C que combina três listas simultaneamente, gerando um gráfico em 3D.

Essa ferramenta é interessante pois expressa de forma clara e ordenada as relações presentes em cada variável, minimizando os conflitos e podendo direcionar as tarefas a partir dessa análise. Além disso, é bem simples de ser realizada e não demanda muito tempo ou um grande número de pessoas.

5. Matriz de Priorização

A Matriz de Priorização tem a função de escolher entre alternativas diversas, fazendo uso de critérios definidos previamente e de maneira racional. O ideal é que tenham de três a quatro critérios para que não seja um processo muito complexo de ser desenvolvido.

Para sua elaboração, é importante que um objetivo principal tenha sido definido e, posteriormente, sejam elaboradas as alternativas que serão analisadas por meio da definição dos critérios. É indispensável ressaltar que os critérios devem ser pensados de forma equilibrada para que ambos tenham o mesmo valor no momento da decisão final.

Essa ferramenta de qualidade é bem favorável para a decisão dinâmica e democrática, gerando interação e consenso entre o grupo que será direcionado de forma padrão para analisar as questões propostas. 

6. Diagrama de Processo de Decisões

O Diagrama de Processo de Decisões é extremamente útil para fazer a antecipação de problema ou obstáculo no momento da elaboração de estratégias e suas respectivas soluções.  

Para sua elaboração é feito um diagrama no qual encontra-se no topo a atividade inicial e abaixo as atividades secundárias. A cada nível vão sendo pensados obstáculos em potencial que podem contribuir para a não realização do objetivo. Também são propostas medidas para amenizar ou anular tal efeito, que devem ser adicionadas ao nível inferior. 

Caso a medida seja avaliada como eficaz deve-se colocar um círculo para sinalizar, caso contrário, a sinalização é feita com um X. Por fim, apenas as ideias avaliadas com um círculo permanecem no diagrama.

7. Diagrama de Flechas

O Diagrama de Flechas é usado para sinalizar de maneira lógica e sequencial as medidas necessárias para sanar um obstáculo ou conquistar um objetivo. Essa ferramenta permite até mesmo encontrar um caminho mais curto para chegar ao destino final. 

Antes de iniciar o processo, o time deve ter consciência de qual alcance deseja ter e com qual intuito está usando a ferramenta. Feito isso, deve-se representar as metas ou problemas com círculos e as respectivas soluções com setas. No final, o diagrama terá um passo a passo a ser seguido para alcançar os resultados.

Como vimos, as ferramentas da qualidade são primordiais para a boa gestão do negócio. Por meio delas é possível desenvolver uma visão multifocal dos problemas e buscar soluções sábias e bem planejadas para que eles não se repitam e para que sejam antecipados. Quando uma corporação adota essas ferramentas, está dando um passo a frente no caminho do sucesso.

E então? Gostou do nosso post sobre as 7 novas ferramentas da qualidade? Então compartilhe com seus amigos em suas redes sociais!

Deixe um comentário
Share This